O trabalho de servidores municipais que atuam na estratégia de saúde da familia: prazer ou sofrimento?

  • Denis Anísio Socorro Carvalho Municipio do Estado de Minas Gerais
Palabras clave: Psicodinámica del trabajo - Placer - Sufrimiento - Servidores Públicos - Salud de la Familia.

Resumen

El artículo tiene como objetivo analizar las manifestaciones de placer y sufrimiento en el trabajo de servidores que actúan en la Estrategia de Salud de la Familia de un Municipio del Centro Oeste del Estado de Minas Gerais - Brasil. Los estudios están fundamentados en la teoría de la Psicodinámica del trabajo, desarrollada por Christophe Dejours. Se realizó un estudio cualitativo, descriptivo, cuyo levantamiento de los datos se dio por medio de una entrevista semiestructurada. Los resultados mostraron que el sentido del trabajo está marcado por la identificación con el trabajo, utilidad del trabajo, independencia financiera, compromiso profesional y estabilidad en el empleo. En el contexto de trabajo de los servidores se identificó que, lo que marca son la relación con las jefaturas, relación con los colegas, sobrecarga de trabajo, ritmo de trabajo, ambiente físico, rotación de personal y la forma en que el trabajo está organizado. En cuanto a las vivencias de placer, derivan de la realización profesional, el reconocimiento de la sociedad y del crecimiento profesional. Las vivencias de sufrimiento están relacionadas con inseguridad profesional, agotamiento mental, agotamiento físico y reconocimiento institucional. En cuanto a las estrategias para lidiar con el sufrimiento, las más utilizadas son: el diálogo, las actividades recreativas, el apoyo familiar y las creencias religiosas.

Biografía del autor/a

Denis Anísio Socorro Carvalho, Municipio do Estado de Minas Gerais

Doutorando em ciências empresariais e sociais, mestre em administração, especialista em comportamento organizacional e gestão de pessoas, especialista em gestão pública, graduado em administração de empresas e agroindustrial.  Master coach senior, pelo Behavioral Coaching Institute - BCI, Trainer em programação neuro linguística pelo Instituto Brasileiro de Coaching, Bussines Coach e Professional Self Coach com certificação reconhecida pela Global Coaching Community e European Coaching Association. Possui ainda formação em Personal e Professional Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching. Co-autor do livro Ser Mais com Master Coaches. É membro do comitê gestor das escolas de Governo do Brasil. Gestor público, Docente no SENAC - MG e Palestrante. E-mail de contato: admdeniscarvalho90@gmail.com

Citas

Antunes, R. (2009). Os sentidos do trabalho: Ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed. São Paulo: Boitempo

Brasil. Governo Federal. Ministério da Saúde. (2012). Estratégia Saúde da Família. Elaborado pelo Departamento de Atenção Básica. Recuperado de http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_esf.php

Bendassolli, P. F.; Soboll, L. A. P. (Org.). (2011). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Editora Atlas

Câmara, R. H., y Faria, M. F. B. (2009). Análise comparativa entre pesquisadores e profissionais de suporte à pesquisa na Embrapa: O enfoque da psicodinâmica e da ergonomia da atividade. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 9 (1), pp. 29-50

Codo, W.; Sampaio, J. J. e Hitomi, A. H. (1993). Indivíduo, trabalho e sofrimento: uma abordagem interdisciplinar. Petrópolis, RJ: Vozes

Data Folha. Conselho Federal de Medicina. (2017). Opinião dos Brasileiros sobre o atendimento na área de saúde. 2014. Elaborado pelo Instituto Data Folha. Recuperado de http://portal.cfm.org.br

Dejours, C. e Abdoucheli, E. (1990). Itinéraire théorique en psychopathologie du travail. Revue prevenir, 20 (1), pp. 21-38

Dejours, C., Abdoucheli, E. e Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas

Dejours, C. (jul/sept, 2012). Psicodinâmica do trabalho e teoria da sedução. Psicologia em Estudo. Maringá, 17 (3), pp. 363-371

Dejours, C. (2011). Trajetória teórico conceitual. Em: Lancmam, S., Znelwar, L. I. (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, pp. 47-194

Dejours, C. (Avril, 2007). Vulnérabilité psychopathologique et nouvelles formes d’organisation du travail (approche étiologique). L’Information psychiatrique, 83, pp. 269-275

Dejours, C. (2006). A banalização da injustiça social. Tradução de Luiz Alberto Monjardim. 7. ed. Rio de Janeiro: FGV

Dejours, C. A. (2004). Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Em Lancman, S.; Snelwar, L. (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, São Paulo, 14 (3), pp. 27-34

Dejours, C. (1998). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez

Ferreira, M. C. e Mendes, A. M. (2001). Só de pensar em vir trabalhar, já fico de mau humor: atividade de atendimento ao público e prazer-sofrimento no trabalho. Estudos de Psicologia, Natal, 6 (1), pp. 93-104

Glanzner C. H., Olschowsky A. e Kantorski L. P. (2011). O trabalho como fonte de prazer: avaliação da equipe de um Centro de Atenção Psicossocial. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45 (3), pp. 716-721

Gernet, I. e Dejours, C. (2009). Evaluation du travail et reconnaissance. Nouvelle Revue de Psychosociologie, 8, pp. 27-36

Giu, R. T. (2002). Prazer e sofrimento no trabalho: representações sociais de profissionais de recursos humanos. Psicologia: Ciência e Profissão, 22 (4), pp. 86-93

Hackman, J. R. e Oldham, G. R. (1975). Development of the job diagnostic survey. Journal of Applied Psychology, 60 (2), pp. 159-170

Hegel, G. W. F. (1971). Filosofia dello spirito jenese. Cantillo (ed.). Bari: Laterza

Lancman, S. e Uchida, S. (2003). Trabalho e subjetividade. Caderno. Psicologia Social, 6, pp.79- 90

Lopes D.M.Q., et al. (2012). Community health agents and their experiences of pleasure and distress at work a qualitative study. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46 (3), pp. 633-40

Lukács, G. (1979). Ontologia do ser social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. Coutinho, C. N. (trad.). São Paulo: Ciências Humanas

McMillian, H. e Tampoe, M. (2000). Strategic management: Process, Content and Implementation. Oxford University Press

Mendes, A. M. (Org.). (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. ERA – Revista de Administração de Empresas, 41 (3), pp. 9-19

Simões, D. A. P. (2016). Prazer e sofrimento no trabalho de médicos oncologistas que atuam em unidades hospitalares mineiras. 110f. Dissertação [Mestrado em Administração]. Faculdade Novos Horizontes. Belo Horizonte

Teles, M. C. C. (2012). Re...conhecimento repercussões da organização do trabalho na saúde dos trabalhadores públicos. Paraná: IMAP

Tolfo, S. R. e Piccinini, V. (2007). Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, 19 (1), Edição Especial, pp. 38-46

Vergara, S. C. (2007). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas

Vaiana, E. e Machado, M. (2009). Sentido do trabalho no discurso dos trabalhadores de uma ONG em Belo Horizonte. Congreso uma de Psicologia, 1. Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: UNA
Publicado
2018-06-26