Mensurando a Maturidade da Cultura de Segurança no Trabalho: uma revisão das ferramentas existentes.

  • Adriela de Marchi Universidade Federal do Amazonas (UFAM)
  • Michele Burtet Empresa Cervejaria Ambev
  • Diulnéia Granja Pereira Universidade do Vale do Rio do Sinos (UNISINOS)
Palabras clave: Revisión Bibliográfica; Herramientas; Cultura de Seguridad; La Madurez; Organizaciones

Resumen

Una cultura de seguridad entendida y practicada por todos se convierte en un factor importante para la prevención de accidentes y enfermedades laborales. Para medir la madurez de la cultura de seguridad y verificar la etapa en que se encuentra en una organización se utilizan herramientas, también llamadas factores. El presente estudio buscó identificar las herramientas utilizadas para medir la cultura de seguridad en el trabajo. Para atender este objetivo se realizó una investigación bibliográfica sobre "herramientas para medir la madurez de la cultura de seguridad", en el portal del periódico CAPES. Esta búsqueda resultó en 22 artículos. Todas las informaciones relevantes, sobre las herramientas existentes para medir la madurez de la cultura de seguridad, fueron extraídas, resumidas y presentadas en este estudio. Como resultados se constató que, entre todos los artículos, se destacaron cinco factores más utilizados para medir la cultura de seguridad en la organización.

Biografía del autor

Adriela de Marchi, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Mestre em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI; Especialização em Gestão de Material e Patrimônio Público pela Faculdade Integrada da Grande Fortaleza - FGF. Bacharel em Administração pela Faculdade de Educação e Ciência Administrativa. Auditora da Universidade Federal do Amazonas - UFAM. Mail: adriela_marchi@hotmail.com

Michele Burtet, Empresa Cervejaria Ambev

Pos Graduada em Engenharia de Seguranca do Trabalho pela UNISINOS, MBA em Gestao Empresarial pela UNISINOS, Engenheira Química pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA. Especialista Ambiental na empresa Cervejaria Ambev. Mail: micheleburtet@yahoo.com.br

Diulnéia Granja Pereira, Universidade do Vale do Rio do Sinos (UNISINOS)

Mestre em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI, MBA em Gestão Empresarial e Bacharel em Administração com ênfase em Recursos Humanos pela UNISINOS. Docente na Universidade do Vale do Rio do Sinos – UNISINOS. Mail: diulneia_diul@hotmail.com

Citas

Agência Internacional de Energia Atômica. AIEA. (2002). INSAG-15 - Key practical issues in strengthening safety culture. Vienna

Agência Internacional de Energia Atômica. AIEA. (1991). Safety séries N° 75, INSAG 4 Safety Culture. Viena

Almeida, I. M. e Gonçalves F. A. P. (2009). Análise de acidente de trabalho, gestão da segurança do trabalho e gestão da produção. InterfacEHS. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, 4 (1).

Alves, S. (1997). Revigorando a Cultura da Empresa: uma abordagem cultural da mudança nas organizações na era da globalização. São Paulo: Makron Books

Baek, J. B.; Bae, S.; Ham, B. H. and Singh, K. P. (2008). Safety climate practice in Korean manufacturing industry. Journal of Hazardous Materials, 159 (1), pp. 49-52

Buffon, G.; Aguiar, J. L. e Godarth, K. A. L. (2015). Maturidade da cultura de segurança no trabalho: aplicação do modelo de Hudson em um laticínio no sudoeste do Paraná. Congresso Internacional de Administração, Natal, RN, Brasil

Campos, D. C. e Dias, M. C. F. A. (2012). Cultura de Segurança no Trabalho: um Estudo Exploratório. Sistemas & Gestão, 7, pp. 594-660

Cardella, B. (1999). Segurança no trabalho e prevenção de acidentes: uma abordagem holística: segurança integrada à missão organizacional com produtividade, qualidade, preservação ambiental e desenvolvimento de pessoas. São Paulo: Atlas

Carvalho, C.; Ferraz, F. T. e Santos, I. J. A. L. (2015). O uso de Questionários em Pesquisas de Cultura de Segurança. XI Congresso Nacional de Excelência em Gestão

Cheyne, A.; Cox, S.; Oliver, A. and Tomás, J. M. (1998). Modelling safety climate in the prediction of levels of safety activity. Work & Stress, 12(3), pp. 255-271.

Choudhry, R. M.; Fag, D. and Mohamed, S. (2007). The nature of safety culture: a survey of the state-of-the-art. Safety Science, 45, pp. 903-1012

Cooper, D, (2000). Towards a model of safety culture. Safety science, 36 (2), pp. 111-136

Cooper, D. (1998). Improving safety culture: a practical guide. Londres: Wiley.

Cox, S. J. and Cheyne, A. J. T. (2000). Assessing safety culture in offshore environments. Safety science, 34 (1-3), pp. 111-129

Curvello, J. J. A. (2002). Comunicação Interna e Cultura Organizacional. São Paulo: Scortecci Editora


Dedobbeleer, N. and Béland, F. (1991). A safety climate measure for construction sites. Journal of safety research, 22 (2), pp. 97-103

DeJoy, N. C. (2004). Process this: Undergraduate writing in composition studies

Dos Santos, G. T.; Rossi, G. e Jardilino, J. R. L. (2000). Orientações metodológicas para elaboração de trabalhos acadêmicos. Gion

Ek, Å.; Akselsson, R.; Arvidsson, M. and Johansson, C. R. (2007). Safety culture in Swedish air traffic control. Safety Science, 45(7), pp. 791-811

Fineman, S. (ed.). (2000). Emotion in the organizations. London: Sage

Fleming, M. (2001). Safety culture maturity model. Health and Safety Executive. Colegate, Norwich

Flin, R.; Mearns, K.; O'Connor, P. and Bryden, R. (2000). Measuring safety climate: identifying the common features. Safety science, 34 (1-3), pp. 177-192

Freitas, M. E. D. (2007). Cultura organizacional evolução e crítica. São Paulo: Thomson Learning

Garcia, A. M.; Boix, P. and Canosa, C. (2004). Why do workers behave unsafely at work? Determinants of safe work practices in industrial workers. Occupational and Environmental Medicine, 61 (3), pp. 239-246.

Gibbons, A. M.; Thaden, T. L. and Wiegmann, D. A. (2006). Development and initial validation of a survey for assessing safety culture within commercial flight operations. The International Journal of Aviation Psychology, 16 (2), pp. 15-238.

Gil, A. C. (2002). Como Elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas

Glendon, A. I. and Stanton, N. A. (2000). Perspectives on safety culture. Safety Science, 34 (1), pp. 193-214.

Gonçalves, A. P. G.; Fo., Andrade, J. C. S. e Marinho, M. M. O. (2013). Modelo para a gestão da cultura de segurança do trabalho em organizações industriais. Revista Produção, 23 (1), pp. 178-188.

Gonçalves, A. P. F. (2011). Cultura e gestão de segurança no trabalho em organizações industriais: uma proposta de modelo. (Tese de Doutorado em Engenharia Industrial). Faculdade Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Bahia, Brasil

Gonçalves, A. P. G.; Fo., Andrade, J. C. S. e Marinho, M. M. O. (2011). Cultura e gestão da segurança no trabalho: uma proposta de modelo. Gestão & Produção, 18 (1), pp. 205-220

Gonçalves, C. M. P. P. (2008). Validación del instrumento ICOS - Inventario de Clima Organizacional de Seguridad - en el área industrial de una usina de alcohol y azúcar. (Disertación de Maestría en Administración), Universidad de São Paulo, Brasil

Guldenmund, F. W. (2000). The nature of safety culture: a review of theory and research. Safety science, 34 (1-3), pp. 215-257.

Hahn, S. E. and Murphy, L. R. (2007). A short scale for measuring safety climate. Safety Science, 46 (7), pp. 1047-1066

Harrisson, D. and Legendre, C. (2003). Technological innovations, organizational change and workplace accident prevention. Safety Science, 41(4), pp. 319-338

Hopkins, A. (2005). Safety, Culture and Risk: the organizational causes of disasters. Sydney: CCH

Hudson, P. (2007). Implementing a safety culture in a major multi-national. Safety science, 45 (6), pp. 697-722

Hudson, P. (2001). Aviation safety culture. Safeskies, 1, p. 23

Lima, M., e Silva, S. (2005). Avaliar a cultura de segurança-instrumentos desenvolvidos para as empresas portuguesas. Análise e gestão de riscos. Lisboa: Ed. Salamandra, pp. 149-158

Lin, S. H.; Tang, W. J.; Miao, J. Y.; Wang, Z. M. and Wang, P. X. (2008). Safety climate measurement at workplace in China: A validity and reliability assessment. Safety Science, 46 (7), pp. 1037-1046

Motta, F., A. da (2012). A Cultura de Segurança do Trabalho Na Área de Produção Industrial. (Dissertação de Mestrado em Engenharia Mecânica), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil

Nascimento, C., D. do (2015). Modelo com qualidades psicométricas para avaliação da cultura de segurança em instalações nucleares. (Tese de doutorado). Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Autarquia Associada a Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Neves, J. (2000). Clima organizacional, cultura organizacional e gestão de recursos humanos. Lisboa: RH

Neal, A.; Griffin, M. A. and Hart, P. M. (2000). The impact of organizational climate on safety climate and individual behavior. Safety science, 34 (1-3), pp. 99-109

Mearns, K.; Whitaker, S. M. and Flin, R. (2003). Safety climate, safety management practice and safety performance in offshore environments. Safety science, 41 (8), pp. 641-680

Momesso, R., G., R. A. P. (2017). Desenvolvimento e validação de um referencial metodológico para avaliação da cultura de segurança de organizações nucleares. (Tese de doutorado). Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Autarquia Associada a Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Organização Internacional do Trabalho. OIT. (2004). Safe work and safety culture. The ILO report for world day for safety and health at work. Genebra: OIT

Reason. (1997). Managing the risks of organizational accidents. Inglaterra: Ashgate Publishing Limited

Richers, R.S. (2009). Cultura de segurança: estudo exploratório em organização com Sistema OHSAS de gestão da saúde e segurança do trabalho. (Tese de doutorado). Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Rundmo, T. (2000). Safety climate, attitudes and risk perception in Norsk Hydro. Safety science, 34 (1-3), pp. 7-59

Rundmo, T. and Hale, A. R. (2003). Managers’ attitudes towards safety and accident prevention. Safety science, 41 (7), pp. 557-574

Silva, E.A.S. (2010). Percepção do Risco e Cultura de Segurança - O Caso Aeroportuário, (Dissertação de Mestrado em Dinâmicas Sociais, Riscos Naturais e Tecnológicos Especialidade: Ciências do Risco), Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal

Silva, S.C.A. (2008). Culturas de Segurança e Prevenção de Acidentes numa Abordagem Psicossocial: valores organizacionais declarados e em uso. Fundação Calouste Gulbenkian – Fundação para a Ciência e Tecnologia

Silva, S.C.A. (2003). Cultura de Segurança e prevenção de acidentes de trabalho numa abordagem psicossocial: valores organizacionais declarados e em uso. (Tese de Doutorado), Instituto Superior de Ciências do Trabalha e da Empresa, Lisboa, Portugal

Silva, S. e Lima, M. L. (2004). Culturas de segurança e aprendizagem com acidentes. Percursos da Inovação em Psicologia Social e Organizacional, pp. 257-270.

Varonen, U. and Mattila, M. (2000). The safety climate and its relationship to safety practices, safety of the work environment and occupational accidents in eight wood-processing companies. Accident Analysis & Prevention, 32 (6), pp. 761-769.

Vassem, A. S.; Fortunato, G.; Bastos, S. A. P. and Balassiano, M. (2017). Factors that make up safety culture: a look at mining industry. Gestão & Produção, (AHEAD), pp. 719-730.

Vilela, R. A. G.; Iguti, A. M. e Almeida, I. M. (2004). Culpa da vítima: um modelo para perpetuar a impunidade nos acidentes do trabalho. Cadernos de Saúde Pública, 20, pp. 570-579.

Westrum, R. (2004). A typology of organizational cultures. Quality & Safety in Health Care, 13, pp. 22-27

Westrum, R. (1993). Cultures with requisite imagination. In Verification and validation of complex systems: Human factors issues, pp. 401-416. Springer, Berlin, Heidelberg

Zavareze, T. E. e Cruz, R. M. (2010) Instrumentos de medida de clima de segurança no trabalho: uma revisão de literatura. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62 (2), p. 73. Recuperado de http://www.psicologia.ufrj.br/abp.

Zohar, D. (1980). Safety climate in industrial organizations: theoretical and applied implications. Journal of applied psychology, 65 (1), p. 96
Publicado
2018-06-27