Resiliëncia e Família: Uma análise da produção científica no período de 2006 a 2017

  • Josean Da Silva Instituto Superior de Educação da Paraíba
Palabras clave: Resiliencia y familia; Resiliencia en familia; Resiliencia familiar

Resumen

La percepción de los acontecimientos negativos en ver las posibilidades que no son sólo patológicos es una conquista reciente de la psicología. Su diseño viene con la perspectiva epistemológica del profesor Martin Seligmam por delante de la American Psychological Association (APA) en 1998.

El movimiento de la psicología positiva termina subsidiando otras reflexiones, como la cuestión de la "capacidad de recuperación y la familia", que animó a muchos investigadores a unirse a este campo de investigación. Este artículo es una literatura de artículos científicos disponibles en las bases de datos de la BVS- Psi, Lilacs, INDEXPsi, Técnico-Científico Diario y SciELO teniendo en cuenta el marco temporal 2006-2017 y presenta resultados que muestran el crecimiento de la producción científica en Brasil sobre la capacidad de recuperación y la familia.

Así, se analizaron los instrumentos de recolección de datos utilizados en la investigación; cuando se cuestionó la preferencia del uso entre "cuestionarios", "entrevistas", "observación" en el trabajo en cuestión.

Biografía del autor/a

Josean Da Silva, Instituto Superior de Educação da Paraíba

Mestre em Serviço Social na linha de Políticas Sociais pela Universidade Federal da Paraíba; Ele é formado em Pedagogia e Tecnólogo em Agroindústria. Por 10 anos ele pesquisa e escreve sobre Pobreza e Exclusão Social na América Latina. Destacou-se como pesquisador, atuou em diversas escolas públicas e privadas, lecionando, entre outras, as disciplinas de Filosofia, Sociologia Jurídica, Antropologia Legal e Políticas Públicas. Atualmente, é professor efetivo da Faculdade de Ciências Humanas do Sertão Central de Pernambuco e Auditor Ambiental do TdA em Tratamento de Água, empresa com a qual atua há 15 anos. E-mail de contato: joseandasilva@yahoo.com.br

Citas

Böing, E.; Crepaldi, M. A. e Moré, C. L. O. O. (2008). Pesquisa com famílias: aspectos teórico-metodológicos. Paidéia (Ribeirão Preto), vol.18 (40), pp. 251-266

Brandão, J. M.; Mahfoud, M. e Gianordoli- Nascimento, I. F. (2011). A construção do conceito de resiliência em psicologia: discutindo as origens. Paidéia, 21, 263-271, pp.91-108. São Paulo: Casa do Psicólogo

Chiesa AM. (2005). Autonomia e resiliência: categorias para o fortalecimento da intervenção na atenção básica na perspectiva da Promoção da Saúde [tese de livre docência]. São Paulo (SP): USP

Grünspun HE. (2003). Conceitos sobre resiliência. Recuperado de http://www.crmmt.cfm.org.br/revista/bio10v1/evistaBioética.pdf

Juaci, V. e Carvalhaes, R. (2005). Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Cadernos de Saúde Pública, vol, 21 (2), pp. 436-448

Libório, R. M. C; Ungar, M. (2010). Resiliência Oculta: A Construção Social do Conceito e suas Implicações para Práticas Profissionais junto a Adolescentes em Situação de Risco. Psicologia: Reflexão e Crítica: Porto Alegre, vol. 23 (2), pp. 476-484. Recuperado de www.scielo.com

Masten, A. S. and Garmezy, N. (1985). Risk, vulnerability and protective factors in developmental psychopathology. In Lahey. B. B. & Kazdin, A. E. Advances in clinical child psychology, 8, pp. 1-52. New York: Plenum Press

Morais, N. A. e Koller, S. H. (2004). Abordagem Ecológica do Desenvolvimento Humano, Psicologia Positiva e Resiliência: Ênfase na saúde. Em S. H. Koller (Org.). A ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenções no Brasil

Noronha, M. G. R. da C. e S.; Cardoso, P. S.; Moraes, T. N. P. e Centa, M. de L. (2009). Resiliência: nova perspectiva na promoção da saúde da família?. Ciênc. saúde coletiva. vol.14 (2), pp. 497-506. ISSN 1413-8123

Paludo, S. S. e Koller, S. H. (2007). Psicologia Positiva: uma nova abordagem para antigas questões. Paidéia (Ribeirão Preto). vol.17 (36), pp. 9-20

Pesce, R. P.; Assis, S. G.; Avanci, J. Q.; Santos, N. e Pinheiro, D. P. N. (2004). A resiliência em discussão. Psicologia em Estudo, 9 (1), pp. 67-75

Remor, E. (1999). Psicologia da saúde: apresentação, origens e perspectivas. Revista Psico. Porto Alegre, vol. 30 (1), pp. 205-217

Rooke, M. I. e Pereira-Silva, N. L. (2014). Resiliência Familiar e Desenvolvimento Humano: Análise da Produção Científica. Psicologia em Pesquisa, 6 (2), pp. 179-186

Rutter, M. (1985). Resilience in the face of adversity: protective factors and resistance to psychiatric disorder. British Journal of Psychiatry, 147, pp. 598-611

Seligman, M. (2003). Foreword: The past and future of positive psychology. In C. L. M. Keyes, & J. Haidt (Eds.). Flourishing: Positive psychology and the life well lived, pp. 11-20. Washington: American Psychological AssociationMalaquias

Silva, M. R. S. (2003). A construção de uma trajetória resiliente durante as primeiras etapas do desenvolvimento da criança: o papel da sensibilidade materna e do suporte social. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis

Souza, M. T. S. e Cerveny, C. M. O. (2006). Resiliência psicológica: revisão da literatura e análise da produção científica. Revista Interamericana de Psicologia, 40, pp. 115-122

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca. (Original publicado em 1998).

Werner E. E. and Smith, R. S. (1992). Overcoming the odds: highrisk children from birth to adulthood. Ithaca/London: Cornell University Press.

Yunes, M. A. (2003). Psicologia positiva e resilência:O foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, 8 (especial), pp. 75-84

Yunes, M. A. M. e Szymanski, H. (2001). Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. Em Tavares J. (Org.) Resiliência e Educação, pp. 13-42. São Paulo: Cortez

Zimmerman, M. A. and Arunkumar, R. (1994). Resiliency research: implications for schools and policy. Social Policy Report: Society for Research in Child Development, 8 (4), pp. 1-18
Publicado
2018-06-27